Uma Exposição

 

 

Entre as paisagens nórdicas, a arte norueguesa, assim como a própria história escandinava, é ainda pouco explorada e conhecida no Brasil. Com o objetivo de apresentar a riqueza das referências artísticas e culturais da Noruega ao público brasileiro, a Casa Fiat de Cultura apresenta a exposição“Re-Conhecimento – A Gravura Norueguesa Contemporânea”, que reúne, pela primeira vez no país, mais de cem obras de 21 artistas que representam a complexidade e a variedade do extenso universo das artes gráficas norueguesas nos últimos 25 anos. O público poderá conferir a mostra entre os dias 11 de setembro e 25 de outubro de 2015, com entrada gratuita.

 

Além dos 21 artistas, cuidadosamente selecionados pelos curadores Dag Alveng e Magdalena Kotowska, a exposição contará com a presença de uma gravura de um dos mais aclamados artistas da história da arte. Edvard Munch, consagrado pelo emblemático quadro “O Grito”, teve outras importantes obras que marcaram sua trajetória. Dentre elas, destaca-se “O Beijo”, óleo sobre tela de 1895, em tons de azul, cinza e preto, uma imagem impregnada pelas obsessões do artista: a violência das relações, o sexo, a morte, a solidão, a melancolia e o terror das forças da natureza. Poucos sabem, mas a obra, além de pintura, tornou-se gravura, em 1902, e é uma das 20 originais existentes em todo o mundo.

 

Kotowska explica que, devido à localização geográfica, o núcleo dos esforços criativos e a inspiração na Noruega são uma relação muito tensa entre o homem e a natureza. “É o único país onde poderia ter nascido Edvard Munch, cujas xilogravuras pioneiras foram o ponto de partida na história da arte da gravura norueguesa, com o expressionismo continuando a impregnar gerações subsequentes de artistas, como matriz original”, afirma a curadora.

 

A exposição apresenta uma visão da gravura como expressão artística, por meio dos trabalhos de artistas noruegueses que se destacaram nos últimos anos. Dentre os nomes, estão Inger Sitter, Bjarne Melgaard, Ingrid Haukelidsaeter, Asmund Haukelidsaeter, Ornulf Opdahl, Kjell Nupen, Per Kleiva, Randi Annie Strand, Olav Christopher Jenssen, Per Inge Bjorlo, Hakon Bleken, Lars Elling, Jannik Abel, Anette Kierulf/Caroline Kierulf, Gunhild Vegge/Lasse Kolsrud, Cathrine Dahl/Orjan Aas, Dolk e Gro Lygre Petersen. Todos os artistas são ícones da arte da Noruega. As obras pertencem a coleções particulares e às galerias norueguesas Galleri Norske Grafikere e Galleri Kunstverket.

 

Para o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira, a exposição se insere no desejo que inspira a Casa Fiat de Cultura de transportar o visitante a outras culturas. “Fazemos deste espaço um portal de acesso do público às mais diversificadas manifestações artísticas e culturais. É certo que a Noruega nos desperta curiosidade, afinal, o que acontece entre os fiordes noruegueses? Esperamos que esta exposição demonstre um pouco disso para o nosso público”, ressalta.

 

A gravura consiste em uma forma artística com fortes tradições na Noruega, e que se desenvolveu de maneira independente, mas, também, em profundo diálogo com as tendências europeias e globais. A variedade estilística e os diversos formatos das obras expostas, desde as de formato pequeno e intimista até as de grandes dimensões, feitas em xilogravura, litografia, serigrafia e outras técnicas, atendem à mensagem concreta que cada um dos artistas incluiu em sua obra.

 

Segundo a curadora Magdalena Kotkowska, “as artes gráficas com as quais lidamos hoje demonstram o modo como a arte passa a ser parte dela mesma, uma forma de consciência, e como acumula um potencial de verdade, entendida não no sentido lógico, mas como sinal de convicção interna. Uma convicção que leva ao ‘reconhecimento’ da imagem fora da consciência do espectador, a despeito do fato de jamais tê-la visto”. Vem daí o título da exposição – Re-Conhecimento –, que se refere, por um lado, ao processo criativo do artista, e, por outro, à percepção do espectador, em cujo corpo a recepção, o reconhecimento e a interpretação das imagens se realizam de maneira vívida.

 

A exposição é uma realização da Casa Fiat de Cultura, com patrocínio do GRUPO SEGURADOR BB E MAPFRE, produção da ArtUnlimited, apoio da Embaixada da Noruega no Brasil, do Consulado Geral da Noruega, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG, do Circuito Cultural Praça da Liberdade e do Governo do Estado de Minas Gerais.

 

fonte: site  www.casafiat.com.br