Verso e Reverso

Anabela Serqueira

 

Leio em Tomás Halík ( A noite do confessor, editado pelas Paulinas de Portugal) uma antiga história, mais do que apropriada para esses nossos tempos – ou quaisquer tempos – nos quais o ódio, uma vez mais, volta a ser cultivado com fervor. São, infelizmente, muitos os que acreditam que a identidade de um grupo, partido ou cultura depende da exclusão dos que pensam e sentem diversamente. Segue a história:

 

Rabi Pinchas perguntou aos seus discípulos como é que se reconhece o momento em que acaba a noite e começa o dia. “É o momento em que há luz suficiente para distinguir um cão de um carneiro?”, perguntou um de seus discípulos. “Não”, respondeu o rabi. “É o momento em que conseguimos distinguir uma tamareira de uma figueira?” perguntou o segundo. “Não, também não é esse momento”, replicou o rabi. “Então, quando chega a manhã?”, perguntaram os discípulos. “É no momento em que olhamos para o rosto de qualquer pessoa e a reconhecemos como nosso irmão o nossa irmã”, replicou o rabi Pinchas. E concluiu: “Enquanto não o conseguirmos, continua a ser noite”.

 

Ricardo Fenati

Equipe do Centro Loyola