Desdobramentos

 

 

Declarou o concílio Vaticano II:

«No fundo da própria consciência, o homem descobre uma lei que não se impôs a si mesmo, mas à qual deve obedecer; essa voz, que sempre o está a chamar ao amor do bem e fuga do mal, soa no momento oportuno, na intimidade do seu coração: faze isto, evita aquilo.  O homem tem no coração uma lei escrita pelo próprio Deus; a sua dignidade está em obedecer-lhe, e por ela é que será julgado. A consciência é o centro mais secreto e o santuário do homem, no qual se encontra a sós com Deus, cuja voz se faz ouvir na intimidade do seu ser» (“Gaudium et spes”, 16).

O que é, então, a consciência? É a voz de Deus em cada ser humano criado à sua imagem e semelhança, capaz de bem e de mal. É, para cada pessoa, o critério último e definitivo do seu pensar, falar e agir.

No hebraico bíblico, não há um termo correlativo do nosso “consciência”. Na tradução latina das Escrituras, o termo “conscientia” aparece 35 vezes, das quais só três no Antigo e 32 no Novo Testamento. Os termos hebraicos “conhecer” (“jada’) e “coração” (“leb”), como também o grego “syneídesis”, confluem com a sua riqueza semântica para o nosso conceito de “consciência”. Em particular, uma expressão fundamental é «coração que escuta» (1 Reis 3,9), pedido de dom a Deus por Salomão, para poder discernir como concretizar a sua função de rei: o coração capaz de escutar a voz da verdade, a voz de Deus que lhe indica o caminho. Paulo, por seu lado, afirma: «Tudo aquilo que não vem da consciência é pecado» (Romanos 14,23), palavras retomadas pelo axioma: «Quem age contra a sua consciência merece a condenação».

A consciência é voz de Deus, eco da Palavra que ressoa na intimidade, ainda que sempre limitada e condicionada pelo ser humano. Ela é um eco do Espírito Santo, eco reflexo da liberdade de que toda a pessoa é dotada, sempre condicionado pela própria condição humana. Certamente que para exercer a consciência é preciso poder dizer «eu», e, portanto, condição prévia é que haja um espaço de liberdade para este «eu». Isto, no entanto, na consciência de que sobre cada pessoa pesam vários condicionamentos: a história social, familiar, pessoas, as estruturas que nos plasmam, a cultura em que estamos mergulhados, as alterações devidas ao pecado…

É sobre o terreno da consciência que todos os humanos deveriam confrontar-se para caminhar juntos. É a consciência o órgão a exaltar para indicar a verdadeira dignidade de cada homem e de cada mulher: um órgão que deve ser absolutamente exercido, para deixar às novas gerações um esboço de criticismo, de resistência, para as habilitar às escolhas que terão, com responsabilidade e criatividade, de assumir e exercer.

Por isso, os cristãos não esqueçam a realidade da consciência, porque é nela que Deus pode falar:
- quando lê a Escritura, saiba que na sua consciência elas podem tornar-se Palavra endereçada pessoalmente a ele;
- quando pensa, exercite-se no discernimento, interrogando-se longamente, em vez de procurar respostas fáceis. Com efeito, é na consciência que, através do exercício da crítica e do confronto, se pode abrir o caminho para a verdade;
- quando reza, procure antes de tudo escutar mais do que falar a Deus. A voz de Deus é um «silêncio subtil» (1 Reis 19,12), e, por vezes, se Ele parece mudo, é porque a surdez do crente se torna impedimento a uma verdadeira escuta;
- quando tem de fazer escolhas, invoque o «Espírito de sabedoria e de discernimento» (Isaías 11,2), dom sempre renovado a quem o invoca (cf. Lucas 11,13). É o Espírito que ilumina e dá força e coragem, parrésia.

A consciência não é uma voz que nos recorda uma lei “já feita”, a aplicar de maneira mecânica, mas pede-nos criatividade e profecia no discernir situações novas, sempre iluminadas pelo princípio fundamental do amor. Por isso, é inviolável, é um santuário, é o tesouro que cada humano recebeu de Deus como dom.

A consciência deve ser ajudada a descobrir os seus erros, deve confrontar-se, mas nenhuma autoridade humana tem o direito de pisar a consciência pessoal. Nenhuma autoridade, no limite nem o papa, segundo a famosa frase de John Henry Newman: «Se eu tivesse de fazer um brinde à religião após um almoço …, então brindaria pelo papa. Mas primeiro pela consciência, e depois pelo papa».

Enzo Bianchi
In Monastero di Bose
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 21.07.2020 | Atualizado em 27.07.2020 no SNPC