Uma Exposição

 

O Centro de Experimentação e Informação de Arte – CEIA traz para a Funarte MG o seu novo projeto E O que temos para o almoço?. A ideia da mostra é criar um espaço que incentive a discussão sobre o consumo da arte contemporânea, com um ‘cardápio especial’, no qual as receitas são trabalhos artísticos em suas mais diversificadas linguagens e formas. Instalações, perfomances e vídeos serão exibidos de 27 de janeiro até 26 de fevereiro. Ao todo, 17 artistas vão expor suas obras que foram destaque durante os 14 anos de existência do CEIA. A exposição foi contemplada com o Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 e tem entrada gratuita.

 

Com curadoria de Marcos Hill e Marco Paulo Rolla, a mostra reúne trabalhos dos artistas: Agnes Farkasvolgyi, Alfredo Nobel, Estandelau, Joacélio Batista, João Castilho, João Maciel, Liliane Dardot, Marc Davi, Marcel Diogo, Marcelino Peixoto, Marco Paulo Rolla, Mariana Rocha, Noemi Assumpção, Paulo Nazareth, Rosa Maria Unda Souki e Wagner Rossi Campos, que com suas obras variadas deixaram lembranças, que têm se tornado referências na trajetória da arte brasileira atual. Os trabalhos exploram técnicas e linguagens variadas como desenho, instalação, pintura e fotografia.

 

Na abertura, dia 27/01, foi lançada uma publicação, em formato de revista, que reúne histórico do CEIA e um compilado de artigos e reflexões, resultantes do projeto Conversas, de 2011. A revista será distribuída aos convidados gratuitamente. Já nos dias 4,5,11,13, 18 e 20 de fevereiro a mostra apresenta a Ação Educativa (visitas com explanação dos artistas, sendo dois convidados por noite), sempre das 19h às 21h. Os interessados em participar deverão entrar em contato com a produção da exposição para agendamento.

 

A artista Liliane Dardot apresenta duas obras da série denominada Habitável?. Desenhos se intercalam em camadas de folhas de papel translúcido que se fundem, sobrepostas, sugerindo uma textura de membranas. Articuladas e dobradas se transformam em cubos, que permitem ao público entrar no interior desses desenhos. Wagner Rossi apresenta Nonidentity. O artista mescla objetos da cozinha europeia e brasileira, resultando em um empilhamento de torres verticais com prato cheios de feijão. A performance, apresentada no dia 19 de fevereiro, faz uma alusão à fragilidade da arquitetura moderna e capitalista. Já Mariana Rocha trabalha questões relacionadas à ruína do corpo e do sacrifício, utilizando um espelho sem moldura, de 1,80 x 0,60 metros, que será sustentado por seu corpo durante toda a apresentação. A performance, apresentada no dia 21 de fevereiro, é chamada Solo.

 

Serviço:

Visitação: De 28 de janeiro a 26 de fevereiro (de terça a sexta), das 13h às 21h

 

Entrada gratuita

 

Programação Performances

Uma canção na vitrola
Marco Paulo Rolla
Data: 29 de janeiro
Horário: 20h

Entretenimento
Noemi Assumpção
Data: 06 de fevereiro
Horário: 19h

Ensaio para um corpo
Marc Davi
Data: 12 de fevereiro
Horário: 20h

Contato Imediato

Inácio Mariani
Data: 14 de fevereiro
Horário: 20h

Preto e Branco na vertical
Wagner Rossi Campos
Data: 19 de fevereiro
Horário: 20h

Solo
Mariana Rocha
Data: 21 de fevereiro
Horário: 20h

Ação Educativa
Datas: 4, 5,11,13, 18 e 20 de fevereiro
Horário: Das 19h às 21h
Os interessados em participar deverão entrar em contato com a produção da exposição, pelo telefone (31) 8416-0452 (Patrícia Matos)

 

Local:
Funarte MG – Rua Januária, 68 – Floresta / Belo Horizonte – MG