Espiritualidade

 
 
“Sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48)
 
 

Esta afirmação de Jesus “Sede perfeitos...”, tirada do contexto, tem gerado profundos sentimentos de culpa diante de Deus e uma frieza no relacionamento com Ele.

 

O Pai de Jesus Cristo, revelado como infinita ternura, misericórdia, amor, proximidade para com os pecadores não é vivido como Pai, mas como um juiz mal humorado, esquadrinhando nossa vida atrás de infidelidades, desobediências, fraquezas, e exigindo o cumprimento rigoroso das mínimas leis.

 

De fato, desde os primeiros anos de nossa infância somos impulsionados a buscar a perfeição. Este conceito assumiu um valor central na compreensão e na orientação da nossa vida; não só isso, mas assumiu também um caráter claramente sobrenatural: a vida divina exige que a pessoa procure a perfeição. Na experiência de fé, esta ideia se reforçou quando se passou a considerar a santidade como sinônimo de perfeição; o caminho da perfeição coincide com o caminho da santificação.

 

A perfeição se converteu, então, no termo normal da vida, o valor espiritual supremo, o elemento comum de todas as virtudes. Os manuais de espiritualidade passaram a destacar a perfeição como único ideal e a moral evangélica se reduziu à moral da perfeição; por séculos, a perfeição seduziu, modelou, dominou e controlou a existência dos cristãos.

 

O pior é que, em pleno novo milênio, ainda somos educados a perseguir a perfeição como finalidade suprema da existência humana. Do ideal de perfeição que nos séculos passados seduzia o espírito, passamos ao ideal de perfeição que seduz o corpo: seres belos, altos, magros... A sociedade atual valoriza pessoas dominadas pela eficiência, pelo sucesso a qualquer custo, pelo mérito, pela cobrança do “vencer sempre”... A vida cotidiana continua a ser invadida pelo ideal de perfeição através da permanente cobrança do “render ao máximo”, “produzir o máximo”, “nascido para vencer”... Tal fórmula se traduz em competição, rapidez, eficiência, tensão emotiva permanente, dedicação estressante ao trabalho porque “tempo é dinheiro”...

 

É necessário repetir sempre: o ser humano não é capaz de viver “perfeitamente”. Um tal credo não tem nada de humano, é uma “tortura inútil”. A perfeição conspira contra a vida interior, e ameaça, consequentemente, a humanidade do ser humano. A perfeição é uma falsa orientação, um caminho que vai em sentido contrário à nossa realidade. Assumindo a perfeição como objetivo da vida, o eu entra em contradição com a vida mesma, que é essencialmente limitada, frágil e pobre.

 

A procura da perfeição é um movimento que nega o ser humano como ser humano e põe em movimento uma visão desumana da vida, pois desconhece sua condição de criatura limitada. A busca de perfeição torna-se um projeto fechado dentro do próprio eu orgulhoso, que exige o máximo de si, o máximo de esforço para não falhar em ponto algum, uma vez que o “perfeccionista” está convencido de que somente será amado por Deus e pelos outros se for perfeito. Nesse esforço ele tende a contar exclusivamente consigo mesmo, prescindindo de Deus e dos outros.

 

A perfeição dialoga com um código de normas e de exigências, dialoga com a lei. O perfeccionista não suporta o pecado uma vez que ele vê  o pecado não como uma ruptura  de laços de amor, não em relação a um outro, mas em relação ao próprio ideal. A perfeição, humilhada pelo pecado e pelas fraquezas, tende a fechar a pessoa sobre si mesma, e fechá-la para Deus e para os outros. O Amor desaparece.

 

Como seguidores de Jesus, somos chamados a viver a santidade, em vez de centrarmos nossa vida na busca da perfeição, e a santidade está relacionada com compaixão, com misericórdia, com amor, com o convite que Deus nos faz: “Sede santos porque Eu sou Santo”.

 

Deus é Amor e nisso consiste a santidade de Deus. Trata-se, pois, de abrir-nos para o Amor, dentro  mesmo dessa realidade nossa de criaturas limitadas, frágeis, pecadoras... Ora, essa capacidade de Amar nos é dada por Deus, é um dom de Deus.

 

A santidade, portanto, nos é dada por Deus e nos é dada agora:

            - Somos amados por Deus, sem condições, agora, com todas as nossas imperfeições, pecados,

              fraquezas, debilidades, limitações, traumas...

            - e esse Amor de Deus sem condições, nos torna capazes de amar agora, de fazer o bem agora,

               de servir agora, de ser santo agora, apesar de nossas imperfeições e fraquezas.

 

A santidade nunca é humilhada pelo pecado, porque um Outro nos acolhe e nos ama apesar de nosso pecado. A santidade é humilde porque nos faz descer em direção à nossa própria humanidade,  aceitando-nos ser pobres, frágeis, limitados, pecadores… e acolhendo, na ação de graças, uma salvação que nos é oferecida gratuitamente pelo Deus que nos ama.

 

A santidade nunca leva ao fechamento em si mesmo, antes abre-nos para Deus acolhendo sempre o seu perdão e abre-nos para os outros no amor, no serviço e no dom.

 

Contrariamente à perfeição que dialoga com um código, a santidade dialoga com Alguém, com o Pai, com Cristo, constituindo-se nesse lugar privilegiado de liberdade aberta ao sopro do Espírito. Santidade não é um resultado que possa ser contabilizado; santidade é um caminhar. É nesse horizonte que devemos entender a afirmação “Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito” (Mt. 5,48); ela está ligada com o texto precedente pela partícula de consequência “portanto”.

 

Ora, o texto imediatamente antecedente fala precisamente do Amor sem limites do Pai. Assim poderíamos concluir que o discípulo de Jesus deve ser perfeito no Amor como o Pai celestial é perfeito no Amor. Ele ama a todos sem distinção, “fazendo nascer o sol e cair a chuva sobre maus e bons, justos e injustos”.

 

O Deus de Jesus, portanto, não é um juiz com um catálogo de leis que tem necessidade de mandar, controlar, verificar... Basta-lhe a misericórdia, o amor para com justos e injustos.. A misericórdia de Deus constitui a resposta à indigência do ser humano. Ela oferece a possibilidade de pôr de lado o julgamento, a violência e a condenação.

 

A misericórdia é a resposta de Deus ao delírio do ser  humano de querer ser perfeito; é a única força capaz de detê-lo naquele processo de auto-divinização, própria do perfeccionista. Jesus propõe um modo de ser humano inseparável da misericórdia do Pai:

         “Sede misericordiosos como o Pai é misericordioso” (Lc. 6,36)

Ser misericordioso “como” Deus constitui o mais elevado convite e a mensagem mais profunda que o ser humano recebe sobre como tratar a si mesmo e aos outros.

 

O caminho de Jesus não vai pelo terreno pantanoso da perfeição, mas pelo terreno firme do perdão, da compaixão e da não-violência.

 

Texto bíblico:  Mt 5,38-48

Na oração:  Quais são as “marcas” da perfeição impregnadas no seu interior pela formação familiar, pela religião, pela educação...

 

 

Pe. Adroaldo Palaoro sj

Diretor do Centro de Espiritualidade Inaciana – CEI

21.02.2013